Día Mundial de la Poesía

Fernando Pessoa (y autorretrato) en Évora [diciembre 2019]

O poeta é un fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

“Autopsicografia” (1930), Fernando Pessoa

 

Fernando Pessoa, “Lisbon Revisited”

IMG_8376Kuska – Alfama, Lisboa [noviembre 2014]

Outra vez te revejo –Lisboa e Tajo e tudo–,
Transeunte inútil de ti y de mim,
Estrangeiro aqui como em toda a parte,
Casual na vida como na alma,
Fantasma a errar em salas de recordações,
Ao ruído dos ratos e das tábuas que rangem
No Castelo maldito de ter que viver…

Fernando Pessoa/Alvaro de Campos, Lisbon Revisited (1926)